Sempre que falamos em perigos que podem existir no ar, pensamos logo em gases e vapores tóxicos, ou outras substâncias químicas. Porém, existem outros perigos, e muitos destes são extremamente prejudiciais à saúde do trabalhador. Muitas vezes as pessoas não se dão conta destes riscos e acabam por não se proteger. E, por consequência, desenvolvem doenças de cunho respiratório.

Esses riscos são ocasionados pelos chamados Aerodispersóides. Aerodispersóides é uma dispersão de partículas sólidas ou líquidas no ar. Ou seja, é uma espécie de mistura de substâncias sólidas ou líquidas com o ar que respiramos. Um exemplo de aerodispersóide é a poeira, que nada mais é que grãos de areias espalhados, misturados com o ar que respiramos.  Definimos os aerodispersoides aqueles em que as partículas dispersas no ar tem entre 0,5 e 200 (alguns dizem 100) mícrons de tamanho.

Aerodispersóide do tipo Poeira

Sem dúvida, o tipo mais comum de dispersóide é a poeira. É reconhecidamente perigoso, em todo e qualquer ambiente de trabalho, e fora dele. Afinal, quem nunca levou um puxão de orelha de nossas mães, por estarmos brincando na rua, na poeira?

Do ponto de vista científico, poeira são partículas solidas que estão uniformemente, ou não, dispersas no ar. Essa partículas podem ser tanto visíveis como invisíveis ao olho humano. Essas partículas são geralmente criadas através da ruptura de sólidos menores. Um exemplo de poeira bem comum em uma construção civil é o provocado pela remoção de areia (seja no depósito de areia em um local, ou na retirada deste, como na escavação). Outros exemplos de poeiras que são bastante prejudiciais à saúde dos trabalhadores são:

  • processo de britagem
  • terraplanagem
  • detonação de rochas
  • destruição de paredes e outros tipos de obras
  • trabalhos com cimento (preparação, transporte, mistura etc)
  • lixamento de materiais
  • peneiramento de minérios
  • corte de granito com máquinas como a maquita
  • dentre outros tipos de trabalho que formam poeira.

Aerodispersóide do tipo névoa

Se a poeira é composta de partículas sólidas, a névoa é composta por partículas no estado físico líquido, que são produzidas por substâncias líquidas que sofreram ruptura, se tornando pequenas partículas que acabam por se dispersar no ar. Ao contrário do que muitos pensam, névoa não é aquele estado da natureza que ouvimos falar quando estamos assistindo à previsão do tempo, quando está chovendo e fazendo frio.

 Além desse exemplo clássico de névoa, que ocorre quando a umidade do ar passa para o estado líquido, outro tipo de névoa é o spray, como o de desodorante por exemplo. Aquilo não é um gás ou vapor, na verdade é o líquido desodorante presente em pequenas partículas no ar.

Dispersóide do tipo Neblina

Já um exemplo de névoa que pode ser extremamente prejudicial à saúde é a névoa ocasionada quando o trabalhador está aplicando agrotóxicos em uma plantação. Alguns solventes são usados em tintas spray, e contém chumbo, que é um elemento muito perigoso e de alto risco para a saúde do trabalhador.

Assim como a névoa, a neblina também é composta por partículas no estado físico líquido. Porém, essas partículas não se originam da ruptura do líquido, mas sim da condensação de vapores das substâncias que estavam no estado líquido nas condições normais de temperatura e pressão.

 A neblina que vemos em uma estrada é resultado da condensação (passagem de um líquido para o estado gasoso) das partículas de água presentes no ar. A condensação só ocorre quando o vapor do líquido está saturado.

Dispersóide do tipo Fumos

Os fumos são originados pela volatilização de substancias sólidas, em sua grande maioria de metais quando estão sendo fundidos. Por exemplo, o fumo de chumbo (Pb), quando se faz pontas em arames e fumo de zinco (Zn), na galvanoplastia. Os fumos são responsáveis pelas principais doenças em indústrias que trabalham com fundição de metais.Assim como a neblina, os fumos também são produzidos por condensação de vapores. Porém, esse vapor é originado de uma substância no estado sólido em condições normais de temperatura e pressão, e as partículas dos fumos são sólidas (e não líquidas, como é na neblina).

  Essa doença é tão comum nesse meio que foi batizada de “febre dos fundidores”, que não é tão grave assim, mas à longo prazo pode trazer problemas de saúde aos trabalhadores que tem contato com o vapor e partículas dos metais fundidos.

Doenças e problemas causados por aerodispersóides

Os aerodispersóides estudados (poeira, névoa, neblina e fumo) podem ocasionar uma infinidade de problemas à saúde do trabalhador, principalmente para os pulmões, mas também para a boca, laringe, faringe e para todo o corpo, dependendo do tipo de substância que está dispersa no ar inalado pelo trabalhador.

Doenças causadas pela poeira:

  • silicose – causada pela sílica
  • bagaçose – causada pelo contato com o bagaço da cana
  • berilose – causada pelo berílio
  • asbestose – causada pelo asbesto
  • dentre outras

Fonte: UNIPACS, AERODISPERSÓIDES: CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS. Disponível em: <http://www.unipacs.com.br/sem-categoria/aerodispersoides-causas-de-doencas-respiratorias/> . Acesso em 23 de janeiro de 2019.